menu.jpg

27/11/2007 | Versão para Impressão

Muhm na revista Vox Mdica





Texto publicado na 
Revista Vox Médica 
out/nov 2007








MUHM ao alcance de todos

No Dia do Médico, SIMERS inaugura nova sede do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul, agora aberto à visitação pública no Hospital Beneficência Portuguesa, em Porto Alegre

Os gaúchos ganharam mais um patrimônio cultural recentemente. Em alusão ao Dia do Médico, o 18 de outubro foi escolhido pelo SIMERS para inaugurar a sede oficial do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM). O espaço — instalado no Hospital Beneficência Portuguesa, em Porto Alegre — recebeu autoridades e convidados no coquetel de lançamento, quando foram apresentadas ainda outras duas novidades: o acesso virtual ao acervo; e a exposição de peças que compõe nova mostra organizada pela equipe do Museu, intitulada Olhares sobre a História da Medicina.

Integrantes da Associação de Amigos do Museu (AAMUHMRS) e outros colaboradores também foram convidados a integrar a festividade, como a professora Olga Nedel Schlatter. Doadora de duas importantes peças — o esqueleto Joaquim, e o Phantom, representação da pelve feminina, criada e utilizada pelo MD. Gabriel Schlatter para a formação de parteiras no século XIX — dona Olga estava emocionada com a cerimônia. “Sempre acompanhei o trabalho de médicos, e este dia está sendo muito especial para mim”, comentou.

A empresária Maura Carneiro Cruz, que entregou máscara, fotos, material e mesa cirúrgica do marido, o MD. Rubens Paim Cruz, igualmente prestigiou o evento. “Me sinto privilegiada por participar desta iniciativa”, expressou-se; assim como o MD. Marcelo Melgares, tesoureiro da AAMUHMRS: “Como membro da Sociedade Brasileira de História da Medicina, acho fundamental iniciativas como esta do SIMERS, de preservar a memória da profissão”, comentou.

Reconhecimento coletivo
A diretora do Museu, Juliane Serres, abriu a solenidade contando o início do trabalho que vem desenvolvendo há dois anos com sua equipe. “No princípio, tínhamos a idéia de recuperar a história dos médicos gaúchos; acabamos descobrindo verdadeiras relíquias, e tornou-se imperioso que as resguardássemos”, afirmou. A historiadora relatou a procura pelo “lugar ideal” para o estabelecimento do MUHM, e agradeceu a todos os envolvidos na concretização desta meta, em especial o MD. Paulo de Argollo Mendes, presidente do SIMERS. “Nada disso seria possível sem ele, que compreendeu a importância de preservar a memória de sua profissão, acreditou, investiu, trabalhou, brigou para que o Museu acontecesse. São dele os méritos desta noite”, concluiu. O sindicalista agradeceu o trabalho e a dedicação de todos, e admitiu sentir-se “extremamente honrado” de poder entregar ao RS mais um patrimônio cultural.

Presente à cerimônia, o secretário Estadual da Saúde, MD. Osmar Terra, também elogiou o empreendedorismo da entidade sindical. “O que não é devidamente registrado passa a não existir, após determinado período”, opinou o gestor. 

Homenagem
A festividade foi acompanhada também por diretores e delegados sindicais de todo o Estado, que aproveitaram a oportunidade para prestar homenagem ao presidente do SIMERS. O MD. Volnei Malheiros, representante de Panambi, foi o porta-voz do manifesto. “Mesmo diante de estrutura enfraquecida, o MD. Paulo de Argollo Mendes trabalhou para recuperá-la, liderando movimento que transformou o sindicato hoje no maior da América Latina”, afirmou.

Sede virtual
Afora a nova sede, o MUHM lançou ainda seu novo site na Internet. Por meio do endereço eletrônico www.muhm.org.br, o visitante virtual terá acesso a grande parte dos cerca de 4 mil livros e 2 mil peças catalogadas. “É praticamente uma visita ao Museu”, enfatizou Juliane.

Olhares sobre o MUHM
Importantes nomes da Medicina, sociedade, e poder público gaúcho, prestigiaram a inauguração da nova sede do MUHM. Veja agora a opinião de algumas destas personalidades, sobre a iniciativa do SIMERS de resgatar a história da profissão no Rio Grande do Sul.
“O Museu é um sonho construído a muitas mãos, e já está incorporado à cultura do nosso Estado. Hoje, recebe seu certificado de permanência, visto a acolhida que teve da comunidade. De fato, acho que tivemos um bom Dia do Médico”.
MD. Paulo de Argollo Mendes, presidente do SIMERS
“A história da Medicina gaúcha é extraordinária, temos que nos orgulhar dela e dos nossos profissionais. Vivemos momentos de dificuldades, como agora, mas mesmo assim conseguimos manter os melhores indicadores de Saúde do país, e o Estado é referência em áreas como transplante, saúde pública, cirurgia cardíaca e neurocirurgia. Como médico, estou muito orgulhoso de estar aqui hoje”.
MD. Osmar Terra, secretário Estadual da Saúde
“Para nós foi uma satisfação imensa o Museu escolher como berço a Beneficência, que tem significado cultural muito forte no Estado. E a felicidade é também por estarmos presenciando esta inauguração, depois de intenso trabalho da equipe do MUHM. Tem muitas coisas interessantes a serem vistas, e tenho certeza que os visitantes sairão satisfeitos”.
Eraldo Martins, diretor-presidente da Beneficência Portuguesa
“Acho a iniciativa do SIMERS extraordinária, por ser mais uma obra dedicada à cultura do Rio Grande do Sul, e proporcionar a recuperação da história da Medicina, dos médicos, e das instituições. Como integrante do Conselho Estadual de Cultura, vejo com grande alegria a inauguração deste novo espaço para Porto Alegre”.
Jornalista Ercy Pereira Torma, presidente da Associação Riograndense de Imprensa
“Como médico, e por ter nascido no Beneficência, é uma dupla satisfação estar aqui hoje. Ver o SIMERS se aproximando deste hospital, deste espaço maravilhoso, com trabalho de qualidade, é muito gratificante. Precisamos marcar a nossa história, e aqui será uma referência por muitos e muitos anos”.
MD. Raul Fraga, vereador de Porto Alegre (PMDB/RS), presidente da Cosman

Saiba mais
O MUHM é credenciado no Sistema Estadual de Museus, participa do Cadastro Nacional do IPHAN, Ministério da Cultura, e é filiado ao Conselho Internacional da categoria. A exposição Olhares sobre a História da Medicina está aberta ao público na nova sede do Museu, que fica na Av. Independência, 270, defronte ao Colégio Rosário. A visitação é gratuita e pode ser realizada de terças as sextas-feiras, das 12 às 20h; aos sábados, domingos e feriados, das 15 às 20h. Outras informações, pelo telefone (51) 3029-2900, ou no site www.muhm.org.br.

Acervo Ampliado
O mês de outubro foi marcante para a equipe do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM). Além da inauguração da nova sede, o número de doações aumentou significativamente, e a mostra Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul concluiu seu curso com três apresentações em Porto Alegre. Nos dias 4 e 5, a exposição esteve no III Fórum Qualidade de Vida e Saúde, na PUCRS; na semana seguinte integrou a programação da Jornada Pré-Congresso Brasileiro de Medicina Hospitalar, no Sheraton Hotel; e, de 10 a 13, foi um dos destaques do XXV Congresso Brasileiro de Psiquiatria, na Fiergs.

No interior, a temporada de exposições 2007 tem encerramento previsto para 18 de novembro, quando termina o período de visitações em Alegrete. Antes, passou por Santa Rosa (foto acima), de 24 de agosto a 10 de setembro; Ijuí, de 12 a 23 de setembro; Uruguaiana (foto abaixo), de 25 de setembro a 7 de outubro; e Gramado, de 26 a 29 de setembro, durante o Congresso Brasileiro de Medicina de Emergência.

Doações
O reconhecimento ao trabalho da equipe do MUHM vem aumentando entre instituições, médicos e familiares. Foram quatro doações, uma institucional e três de particulares, no período de setembro a outubro:

-A Associação dos Amigos da Hematologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre doou livros e documentos pertencentes à MD. Fani Job. Graduada em 1951 na UFRGS, especializou-se em Hematologia, dedicando sua vida profissional ao trabalho no HCPA. Lá, foi responsável pela criação do ambulatório da especialidade, fundou a Associação dos Amigos da Hematologia do Clínicas — cuja finalidade era obter meios para melhoria de equipamentos, e recursos humanos para o Serviço. A médica faleceu em 1998, vítima de acidente de trânsito.

-A sobrinha do MD. Antero Marques, Vanda Krindges Marques, enriqueceu o acervo do MUHM com fotografias, poemas e a tese do médico. Ainda estudante, o MD. Marques lutou na Revolução de 1930, ao lado de Getúlio Vargas. A conquista garantiria ao profissional o diploma sem terminar os estudos. Ele, no entanto, recusou o privilégio.

-O Museu também recebeu do MD. Luiz Gustavo Guilhermano a obra Intoxicação pelo Amor, tese de doutoramento do MD. Leopoldo Pires Porto, em 1908, na Faculdade de Medicina de Porto Alegre. O trabalho alcançou repercussão no país e no exterior, pois tratou de afetividade e sexo antes do surgimento das idéias de Freud.

-O talento dos colegas gaúchos não se restringe à sua área de atuação. Para exercer a carreira com mais eficiência, alguns deles foram além, como o MD. Wilson Córdoba. O médico, formado em 1965 na UFRGS, desenvolveu uma espécie de projetor para auxiliar seus estudos, à época. Afora o aparelho, o profissional deixou seus livros aos cuidados do MUHM. O MD. Córdoba atuou em Porto Alegre na Enfermaria 38 da Santa Casa de Misericórdia, e na Beneficência Portuguesa.



Compartilhe:


Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player