menu.jpg

30/01/2008 | Versão para Impressão

Muhm mostrar pioneirismo das mulheres gachas na medicina

O pioneirismo das gaúchas na história da medicina brasileira será um dos destaques da próxima exposição do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm). Programada para março deste ano, a mostra Mulheres e Práticas de Saúde vai homenagear, a partir do Dia Internacional da Mulher, a trajetória de médicas que venceram barreiras sociais e políticas para estudar, se formar e prestar atendimento médico quando a atividade era predominantemente masculina.


A exposição vai reproduzir um pouco do contexto da época em que viveu a primeira médica formada no Brasil, a gaúcha Rita Lobato, e suas sucessoras Ermelinda Lopes Vasconcelos e Antonieta César Dias, além de Alice Maeffer, a primeira formada em solo gaúcho. Durante o lançamento da nova mostra também será inaugurada a sala Rita Lobato, dentro do Muhm, e uma comenda com o mesmo nome.


Ícone de toda aluna de medicina, Rita Lobato nasceu em 1866, formou-se em 1887, com a tese Paralelo entre os métodos preconizados nas operações cesarianas, na Bahia. Seus estudos foram iniciados no Rio de Janeiro, quando Porto Alegre ainda não tinha faculdade de medicina. Após a morte do marido, com quem se casou dois anos após se formar, dedicou-se à política, sendo eleita a primeira vereadora do RS, na cidade de Rio Pardo, onde exerceu mandato até 1937. Ermelinda Lopes Vasconcelos formou-se em 1888, no Rio de Janeiro, e especializou-se na França fazendo também cursos na Alemanha. Antonieta César Dias nasceu em 1869 e ingressou na faculdade com 15 anos. Formou-se em 1889, também no Rio. No Rio Grande do Sul, Alice Maeffer foi da primeira turma da FMPOA, concluindo o curso em 1904. Deixou a profissão ao casar com um médico, seu colega de turma, e mudar-se para Antonio Prado.

Outras histórias também serão contadas nesta mostra, como a de algumas médicas ainda atuantes que, além de serem pioneiras, já que o crescimento da atividade profissional feminina ainda é recente, alcançaram níveis de excelência técnica e acadêmica.


Entre as entrevistadas estão a MD. Themis Reverbel da Silveira, formada em 1964 na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. A MD. É doutora em Medicina Genética e atua na área de Hematologia Pediátrica.

 


MD. Rita Suzana Camargo Souto, formada em 1959, é da primeira turma médica da Faculdade de Medicina de Santa Maria e também fará parte da exposição. Especialista em Pediatria, atualmente exerce atividades na Associação dos Funcionários Públicos do Estado.


 

MD. Valderes Antonietta Robinson Achutti, formou-se na Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 1960. Foi médica clínica da Secretaria da Saúde e do Meio Ambiente do Estado, na época a única profissional mulher do Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Ferroviários e Empregados do Serviço Público (IAPFESP).



Compartilhe:


Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player