MARQUES PEREIRA, Francisco de Castilhos

Natural de Porto Alegre(RS), nasceu em 22 de setembro de 1906 - 9 de julho de 1972 - Rio de Janeiro (RJ). Filho de João Baptista Marques Pereira e de Clara de Castilhos Marques Pereira. Foi aluno do Colégio Júlio de Castilhos, de Porto Alegre, onde obteve toda sua formação pré-universitária. Formou-se pela Faculdade de Medicina de Porto Alegre, em 1929, recebendo o prêmio Oswaldo Cruz, quando defendeu tese sobre “O Parasita da Tuberculose e o BCG”. Ao longo do curso de medicina, foi monitor de histologia, interno do Instituto Pereira Filho e da Assistência Pública de Porto Alegre, atual Pronto Socorro Municipal. Em 1930 exerceu sua profissão na cidade de Boa Vista do Erechim, hoje Erechim. Em 1932, incorporou-se ao serviço de saúde da Brigada Militar do Estado do Rio Grande do Sul, no posto de 1º Tenente Médico, participando ativamente da revolução do mesmo ano. Em 1933, mediante concurso público, obteve o título de Livre Docente da cadeira de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina de Porto Alegre. Em 1938, foi promovido a Capitão Médico e nomeado Chefe do Laboratório de Pesquisas Médicas da Brigada Militar. Em 1945, foi promovido ao posto de Major Médico e nomeado diretor do Hospital Geral da Brigada Militar, de Porto Alegre. Nesse mesmo ano, prestou concurso para Professor Catedrático de Histologia e Embriologia da Faculdade de Medicina, quando apresentou e defendeu a tese intitulada “Do Condrioma Animal”, sendo nomeado em 1946. No ano de 1948, fundou o Laboratório de Análises Clínicas Marques Pereira. Promovido ao posto de Tenente-Coronel Médico da Brigada Militar, foi designado Chefe do Serviço de Saúde da Instituição, cargo que exerceu até 1955, quando, a pedido, foi transferido para a reserva, no posto de Coronel Médico. Em 1964, foi eleito, por seus pares, Diretor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, sendo reeleito em 1968, exercendo dois mandatos consecutivos. No ano de 1967, foi convidado a assumir a Secretaria dos Negócios de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul, no governo de Walter Perachi de Barcellos. No período em que esteve à testa dessa Pasta, reestruturou o serviço, criando vários postos de saúde, em Porto Alegre e em municípios do interior do Rio Grande do Sul. Destacaram-se, durante sua gestão na Secretaria da Saúde, as seguintes ações de implantação e implementação de serviços: Criação da Unidade de Planejamento, impulsionando a reforma administrativa; Vigilância epidemiológica, conquistando a erradicação da varíola no Estado, em 1970; Escola de Saúde Pública, com atividades de formação e treinamento de pessoal, através de cursos, em colaboração com a UFRGS; Centro Médico Social São José do Murialdo, marco na experiência em saúde comunitária e no ensino de saúde pública; Criação da Superintendência Médico-Sanitária, para coordenar atividades de saúde pública; No Instituto de Pesquisas Biológicas (IPB), destacou-se a pesquisa e produção de vacinas antivariólica e anti-rábica, essa última considerada uma das melhores do Brasil; Remodelação do Hospital Sanatório Partenon; Criação do Novo Instituto de Cardiologia, tornando-se uma Instituição destinada ao estudo, tratamento dos problemas cardio-vasculares e formação de especialistas na área; Reformas parciais em vários setores do Hospital Psiquiátrico São Pedro e criação de 11 ambulatórios de saúde mental, 4 em Porto Alegre e os restantes, no interior do Estado. Recebeu várias condecorações, entre elas: Cidadão Honorário de Três de Maio (RS) e das cidades de New Orleans e Lake Charles, do Estado de Louisiana, Estados Unidos. Foi membro de diversas associações de classe: Associação Médica Brasileira (AMB), Associação Médica do Rio Grande do Sul, Associação Paulista de Medicina, Departamento de Patologia Clínica (em 1960, recebeu o título de Médico Patologista Clínico, exarado pela AMB) e membro fundador da Academia Sul-Riograndense de Medicina, sendo Patrono da cadeira nº 25. Casou-se em 29 de julho de 1929 com Zilda Maria Fontoura Escobar, com quem teve sete filhos: Ruth Maria, João Pedro, Francisco, Sílvio Antônio, Clara Maria, Roque Antônio e Virgínia Maria. Faleceu no Rio de Janeiro, quando atuava como Diretor da Faculdade de Medicina.

FRANCO, Álvaro; RAMOS, Sinhorinha Maria. Panteão Médico Riograndense: síntese cultural e histórica. São Paulo: Ramos e Franco Editores, 1943, p.550.

https://www.ufrgs.br/famed/index.php/informacoes-academico-medicina/formados/71-1904-a-1930

http://academiademedicinars.com.br/cadeiras/francisco-de-castilhos-marques-pereira/

;