RAMIZ GALVÃO, Benjamin Franklin

Natural de Passo do Couto, Rio Pardo (RS), 16 de junho de 1846 - 8 de março de 1938, Rio de Janeiro. Filho de João Galvão e Maria Joana Ramiz Galvão. Estudou na Escola Primária Custódio Mafra (RJ) em 1852, no Colégio D. Pedro II (RJ) de 1855-1861 e Externato da Sociedade Amantes da Instrução (RJ). Diplomou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1868. Médico-cirurgião do Exército na Guerra do Paraguai, 1869-1870. Foi Lente de Grego do Colégio D. Pedro II, no RJ de 1869-1872. Exerceu o cargo de Diretor da Biblioteca Nacional no RJ de 1870-1882, neste período, a biblioteca não possuía prédio próprio, o edifício situava-se no Largo da Lapa, lugar que não era o mais adequado. Distante do centro da cidade, a biblioteca acabava por ficar afastada das instituições de ensino, das livrarias e, consequentemente, do seu público. Como não havia verbas para a construção de um novo prédio, a solução encontrada foi reformar parte do edifício. Com recursos vindos do Ministério do Império também foi introduzida a iluminação a gás na Biblioteca Nacional e, em 1872, conseguiu ampliar o horário de atendimento ao público (possibilitando a abertura no período noturno das 16 às 21h). Foi representante do Brasil na Exposição Internacional de Viena, em 1873. Atuou como Professor da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro de 1873-1882. Foi Preceptor dos Príncipes Imperiais, 1882-1889. Foi professor de diversos educandários no RJ. Exerceu o cargo de Inspetor Geral da Instrução Primária e Secundária no RJ, em 1890. Foi Diretor da Instrução Primária e Secundária no RJ de 1891-1893. Atuou como Redator-secretário da Gazeta de Notícias (RJ) de 1894-1899. Foi Diretor do Asilo Gonçalves de Araújo (RJ) em 1899. Atuou como professor do Ginásio Nacional do RJ, em 1899-1900. Presidente do Conselho Superior do Ensino no RJ, em 1919. Primeiro Reitor da Universidade do Brasil no RJ, em 1920. Foi historiador, helenista, biógrafo, conferencista e filólogo. Comendador e portador de várias condecorações do Império. Membro do IHGB, do qual foi orador perpétuo. Membro da Acad. Brasileira de Letras, desde 1928, na cadeira 32; Membro da Acad. de Letras do RS - Patrono da cadeira 9 da Academia Rio-Grandense de Letras - e Membro da Acad. Nacional de Medicina. Publicou: Do Valor Terapêutico do Calomelano no Tratamento das Inflamações das Serosas, tese de doutoramento, Rio de Janeiro, 1868. Discurso de Colação de Grau, id, 1868. O Calor, A Luz, O Magnetismo e a Eletricidade São Agentes Distintos? tese de concurso, id, 1871. As Artes Gráficas na Exposição Universal de Viena, id, 1874. Catálogo da Exposição Nacional de 1875, id, Tip. G. Leuzinger, 1875. Bibliotecas Públicas da Europa, Rio de Janeiro, 1875. Apontamentos Históricos Sobre a Ordem Beneditina em Geral e em Particular Sobre o Mosteiro de São Bento, id, 1879 (publicado antes na Revista do IHGB, Rio de Janeiro, tomo 35, 1872). Catálogo da Exposição de História do Brasil, Rio de Janeiro, Tip. G. Leuzinger, 1881, 3v. Memória Histórica da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, Relativa ao Ano de 1881, Rio de Janeiro, 1882. Memória Histórica do IV Centenário do Descobrimento do Brasil, id, 1900. Galeria Histórica Brasileira, compilação, id, H. Garnier, 1900. Catálogo do Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Tip. Jornal do Comércio, 1906. Leçons de Pétrographie, de A. de Lapparent, tradução, Rio de Janeiro. Précis de Quimie, de Torst, id, id. Le Nouveine de Candelária, de C. Nodler, id, id. Prometeu Acorrentado, tragédia de Ésquilo, id, id, 1909. Vocabulário Etimológico, Ortográfico e Prosódico das Palavras Derivadas do Grego, Rio de Janeiro, Liv. Francisco Alves, 1909. Reparos à Crítica (resposta da Cândido de Figueiredo), Rio de Janeiro, 1910. O Poeta Fagundes Varela: Sua Vida e Sua Obra, id, 1920. Vergílio e não Virgílio, id, 1933. Saudação a Sua Eminência o Cardeal Cerejeira, id, 1934. Mont’Alverne, Odorico Mendes e Sotero dos Reis, conferência, id, 1935. Teatro Educativo, estudo, id, Tip. Jornal do Comércio, 1938. “O púlpito no Brasil” estudo crítico-histórico, Revista dos Bacharéis em Leis, Rio de Janeiro, 1867; id, Revista do IHGB; id, tomo 92, 1926. “Frei Camilo de Monserrat”, estudo biográfico, Anais da Biblioteca Nacional, id, v.12, 1887. “Flamando”, seção permanente da Gazeta de Notícias, id, com pseudônimo de Pacífico, 1894. Discurso na Academia Brasileira de Letras, Revista da ABL, id, v.27, 1928. “No centenário de Teixeira de Melo”, Discurso na ABL em 31 ago. 1933, ibid, n.142, 1933. Discurso por ocasião do 50o aniversário de falecimento de Manuel Araújo Porto Alegre, ibid, n.143, 1933. Galeria Histórica Brasileira, Segundo Quadros, Monumentos e Estampas Célebres (álbum), organização, 1922, 115p., il., Garnier Editor, Rio de Janeiro. Estados Unidos do Brasil, impressões de Elisée Reclus, tradução, 1900, 478p., il., Garnier Editor, Rio de Janeiro. Dom Francisco do Rego Maia, discurso, 1929, publ. v.158 da Revista do IHGB, Rio de Janeiro.

https://bndigital.bn.gov.br/dossies/biblioteca-nacional-200-anos/os-personagens/benjamin-franklin-ramiz-galvao/ http://expagcrj.rio.rj.gov.br/ramiz-galvao-benjamin-franklin/

;