ESTEVES, Aldehir Luiz

Natural de Curitiba (PR), 4 mar. 1913. Filho de Galdino Esteves e Maria da Luz Esteves. Iniciou seus estudos primários no Grupo Escolar de Caçapava (SP) e no Grupo Benedito Ottoni (RJ). Cursou o Curso de Humanidades no RJ, com o prof. Alfeu Portela, concluindo-os no Curso Freycinet, com o prof. Sinézio de Freitas. Formou-se em Medicina pela Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro em 1936. Foi interno - no Serviço de Clínica Cirurgia do Dr. Vieira Souto, na 13ª Enfermaria da Santa Casa; no Serviço de Cirurgia do Dr. Brandão Filho na Santa Casa; no Serviço de Vias Urinárias e Cirurgia do Dr. Brandino Corrêa no Hospício Nossa Senhora do Socorro; no Hospital Geral de Acidentes (Traumatologia) sob a direção do Prof. Mario Jorge Carvalho; no Serviço Médico da Polícia Civil do RJ (Enfermaria Müller, Maternidade Escola das Laranjeiras com o Prof. Fernando de Magalhães; no Serviço de Otorrinolaringologia do Dr. Newton Tatsch no Hospital Estácio de Sá; no Serviço de Oftalmologia do Dr. Moura Brasil, no Serviço de Otorrinolaringologia e Oftalmologia do Prog. Raul David Sanson na Fundação Graffé Guinle, nestes aperfeiçoou seus conhecimentos na especialidade, a qual passou a dedicar-se em sua carreira profissional. Já formado continuou como médico interno do Serviço de Otorrino oftalmologia do Prof. Sanson, posteriormente nomeado assistente da cadeira de otorrinolaringologia da Universidade do Brasil. Exerceu as funções de Médico examinador da Associação Cristã de Moços. Foi Médico do Asilo Izabel e da Associação dos Jornalistas Profissionais do RJ. Transferiu-se para o RS, em 1938, atuando em sua Clínica. Posteriormente ingressou no Departamento Estadual de Saúde do RS (DES) organizando os serviços da especialidade com respectivos ambulatórios, criando o Serviço Cirúrgico especializado no DES. Também organizou 17 gabinetes médicos dos Grupos Escolares de Porto Alegre (RS), Novo Hamburgo (RS), São Leopoldo (RS) e em outras localidades, sem ônus para os cofres públicos. Representou o Departamento Estadual de Saúde do RS no curso intensivo de Tracomólogia no RJ em 1939 sob a regência do Prof. Herminio Conde e Moura Brasil. Após a conclusão deste curso foi nomeado chefe do Serviço de Tracoma do Departamento Estadual de Saúde do RS. Ministrou cursos para médicos chefes e auxiliares do D.E.S em cursos de emergência de tracomologia; para as turmas de Educadoras Sanitárias, cursos da especialidade e de tracomologia e para turmas complementaristas dos Colégios São José de São Leopoldo (RS), Santa Catarina de Novo Hamburgo (RS), São José de Montenegro (RS). Também ministrou cursos para a primeira turma de Orientadoras da Instrução Pública, cursos de noções de tracoma para mais de 10 mil escolares. Proferiu palestras em fábricas, clubes particulares, círculos de pais e mestres, cultos metodistas, etc. Organizou ainda um estande ambulante de combate ao tracoma para exposição em todos os certames realizados neste Estado. Foi Médico Chefe do 1º ambulatório da especialidade do D.E.S - Chefe do Serviço de Tracoma do RS - Médico organizador dos serviços de especialidade nas creches de Porto Alegre (RS) e do Círculo Operário Porto-Alegrense - Regente de Cursos de Tracoma. Participou do 4º Congresso Inter- Americano de Oftalmologia em 1941; do Congresso Argentino de Rosário; no 1º Congresso de Prevenção à Cegueira no RJ, entre outros. Realizou viagens de estudos ao Serviço do Prof. Segura, em Buenos Aires e ao Instituto Penido Burnier em Campinas (SP). Membro fundador da Sociedade de Otorrinolaringologia do RJ; Sociedade Brasileira de Oftalmologia do RJ; Liga Nacional de Prevenção à Cegueira; Conselho Nacional do Tracoma; Sociedade de Oftalmo-otorrinolaringologia do RS; Sociedade de Higiene e Saúde Pública. Recebeu o prêmio da Prevenção à Cegueira, de 1941. Publicou folhetos de propaganda popular: “A conjuntivite Granulosa ou Tracoma”; “ O que é preciso saber sobre o tracoma”; “A conjuntivite purulenta ou Conjuntivite dos Recém nascidos”; “Conselhos de Saúde” (relativos à especialidade e publicados no órgão oficial do Estado); “O Tracoma, sua Difusão no Rio Grande do Sul e seu combate pelo D.E.S.”; “A ação do D.E.S. na Luta Contra a Cegueira” trabalho apresentado no 4º Congresso Inter- Americano de Oftalmologia em 1941, instituído pela A.B.I e Associação dos Jornalistas Profissionais e conferido pela Liga Nacional de Prevenção à Cegueira; “O Tratamento da Rinite Espasmódica pela Autossoroterapia”; “Incidência do tracoma e o seu combate pelo D.E.S. no Rio Grande do Sul. In: FRANCO, Álvaro; RAMOS, Sinhorinha Maria. Panteão Médico Riograndense: síntese cultural e histórica. São Paulo: Ramos e Franco Editores, 1943, p.186-187.

FRANCO, Álvaro; RAMOS, Sinhorinha Maria. Panteão Médico Riograndense: síntese cultural e histórica. São Paulo: Ramos e Franco Editores, 1943, p.506.

SCHWARTSMANN, Leonor C.B. Já que não soubemos evitar a sua entrada, cumpre-nos cercear com urgência a sua disseminação: de “país da febre amarela” para “país do tracoma”. In: Anais do IV Encontro Internacional Fronteiras e Identidades – Tributo a Obra de Beatriz Ana Loner ANAIS – ISBN: 2317-0980. UFPel: Pelotas, 2019, p.799-812.

https://wp.ufpel.edu.br/eifi/files/2019/02/ANAIS-IV-EIFI.pdf

Aviso de Privacidade

O Simers utiliza cookies e tecnologias semelhantes, como explicado em nossa Política de Privacidade, para melhorar a experiência de usuário. Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições.

Ver Política
;