GUEDES, Paulo Luis Vianna

Natural de Porto Alegre (RS), 14 de novembro de 1916 – 24 de fevereiro de 1969, em Torres (RS). Filho de Luis José Guedes (médico e primeiro catedrático concursado de Psiquiatria do RS) e Regina Vianna Guedes. Estudou no Colégio Anchieta, em Porto Alegre (RS). Formou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina de Porto Alegre, em 1939. Em 1940, foi nomeado assistente de ensino da Cadeira de Clínica Psiquiátrica da Faculdade de Medicina da UFRGS. Em 18 de maio de 1942, defendeu a tese de doutoramento “Meteorologia e crises epilépticas”. Em julho de 1944, fez concurso para Livre-Docente de Psiquiatria, apresentando a tese “Contribuição do estudo das psicoses de situação” na mesma Faculdade e, em 1950, assumiu a cátedra, cargo que ocupou até a sua morte. Fez parte do primeiro grupo de médicos que iniciou a formação Psicanalítica em Porto Alegre, tornando-se um dos fundadores da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre, qual foi membro ativo e professor. Várias vezes paraninfo e homenageado das turmas que se formaram no Instituto de Artes (1951,1954,1958,1960,1961) e na Faculdade de Medicina (1951), foi um dos iniciadores do ensino de Psicologia Médica nessa última e professor de Clínica Psiquiátrica na Escola de Enfermagem da UFRGS. Fez parte do primeiro grupo de médicos que iniciou a formação psicanalítica em Porto Alegre, tornando-se um dos fundadores da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre. Foi um dos fundadores da Unidade Melanie Klein no Hospital Psiquiátrico São Pedro e apoiou a participação da Psiquiatria na Unidade São José do Murialdo. Foi um dos fundadores da Associação Encarnación Blaya, que teve como primeiros presidentes Marcelo Blaya Perez e Manoel Antônio de Albuquerque. A Clínica Pinel passou a ser modelo na formação de psiquiatras, psicólogos, assistentes sociais e enfermeiros, além de manter a publicação dos Arquivos da Clínica Pinel. Foi o primeiro psiquiatra a presidir a Sociedade de Neurologia, Psiquiatria e Neurocirurgia do Rio Grande do Sul (1953). Foi um dos fundadores do Centro de Estudos Psicanalíticos de Porto Alegre, em 1957. Organizou a 1ª Jornada Sul-Rio-Grandense de Psiquiatria Dinâmica em Gramado (RS). Ao conseguir a utilização do Avro Presidencial, assegurou presença significativa de gaúchos no Congresso Nacional de Neurologia, Psiquiatria e Higiene Mental de Fortaleza em 1964. Presidiu o congresso seguinte em 1967, na capital gaúcha. Formou-se em violino com o professor Oscar Simm, na Escola de Belas Artes de Porto Alegre, em 1934. Também era pianista. Apreciador e estudioso de música, assumiu a Cátedra de Conjunto de Câmara na Escola de Artes da Universidade do Rio Grande do Sul. Também ensinava História da Música na mesma escola. Compositor, teve como coautor até Carlos Drummond de Andrade. É patrono da cadeira 56 da Academia Sul-Rio-Grandense de Medicina. Publicou: Além das teses de concursos, deixou, entre outros: “Sobre a incidência de casos de psicoses devidas à sífilis”. In: Anais da Faculdade de Medicina da UFRGS, vol.19, 1959. “Experiência com Dietilamina do ácido lisérgico (LSD 25)”. In: Arquivos de Neuropsiquiatria, S. Paulo, v.19, mar. 1961; “Comunicação sobre sonhos em psicoterapia analítica de grupo”. In: Jornada, nov. 1960, Psiquiatria, v.1 n.1, 1961. “Estudo sobre incidência de psicoses devidas a sífilis no Estado do Rio Grande do Sul”, III Congresso Sul-Brasileiro de Higiene, 1962, Anais do Congresso. “Ensino das ciências psicológicas no currículo médico”, ABEM, 1966; Eletrochoqueterapia (trabalho apresentado à Sociedade de Neurologia Psiquiatria e Neurocirurgia do Rio Grande do Sul, e publicados nos Anais da Faculdade de Medicina de Porto Alegre, vol.18, pág. 85-1958); Placebos, psicanálises e psicoterapia (publicada na Revista Brasileira de Medicina, ano XVII, n. 3, março de 1960, Rio de Janeiro); Experiência com a dietilamida do ácido lisérgico (publicadas no Arquivos de Neuro - Psiquiatria, São Paulo. Vol.19, n 1- março de 1961). Como compositor: “Noturno” para piano; “Suíte infantil (crianças brincando, acalanto e corrupio); Quatro esboços brasileiros (chorinho, toada, cantiga e dança); “Suíte para orquestra”; “Três peças de caráter popular para flauta, violão e orquestra de cordas”; “Brinquedo de roda”; “A moda da moça muda”; “Modinha” e “Menina dos óio grande”. Casou em 27 de dezembro de 1939, em Porto Alegre, com Zuleika Rosa Guedes, pianista e professora catedrática de piano do Instituto de Artes da UFRGS, e tiveram dois filhos, Paulo Sérgio Rosa Guedes, médico psiquiatra e psicanalista e Berenice Guedes Müssnish, Psicopedagoga.

http://www.polbr.med.br/ano02/wal0102.php

;