HEREDIA, Isidoro

Alcalá la Real (Espanha), 26 de outubro de 1878– 1959, Porto Alegre (RS). Filho de Isidro Heredia Hidalgo e Maria Antonia Heredia Hidalgo. Transferiu-se para o Brasil fixando-se em Porto Alegre (RS). Realizou seus estudos primários e secundários em Porto Alegre (RS). Diplomou-se em farmácia pela Faculdade de Medicina e Farmácia de Porto Alegre, em 1900. Posteriormente, se diplomou em Medicina pela Faculdade de Medicina de Porto Alegre, em 1915, defendendo a tese de doutorado “A Pelagra”. Foi interno do serviço de Sífilis e Pele da 14º Enferm. da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Foi interno do serviço de Ginecologia e obstetrícia de 1914 a 1915. Extranumerário dos mesmos serviços de 1916 a 1917. Foi adjunto da 5ª seção e do consultório de Cirurgia de Homens de 1917 a 1918. Foi Diretor do ambulatório de Obstetrícia, Ginecologia e Vias Urinárias em 1924. Foi Diretor do Consultório de Cirurgia de Homens em 1922. Adjunto da Enferm. Dr. Serapião Mariante em 1923. Diretor da Enferm. de Cirurgia Infantil “Pedro Chaves”, de 1924 a 1930. Atuou como Prof. de Química Analítica da Faculdade de Medicina de Porto Alegre. Foi Mordomo da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, em 1919. Também fez parte do corpo médico do Hospital Beneficência Portuguesa de Porto Alegre (RS). Exerceu o cargo de Diretor Geral do Serviço Sanitário da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre e Mordomo da Farmácia de 1934 a 1936. Reeleito e mantido no cargo nos triênios de 1937 a 1939 e de 1939 a 1942. Publicou: a tese sobre “Os corpos acetônicos”; “A Santa Casa de Misericórdia da Porto Alegre”, em colaboração com Tasso Vieira de Faria, in: FRANCO, Álvaro; RAMOS, Sinhorinha Maria. Panteão Médico Riograndense: síntese cultural e histórica. São Paulo: Ramos e Franco Editores, 1943, p.88-99. Casou-se com Celina Trindade Heredia, com quem teve os filhos: Henrique Trindade Heredia (médico); Henriqueta Trindade Heredia Ferreira; Isidoro Heredia Filho; Myriam Heredia Antunes e Maria Heredia Santos.

FRANCO, Álvaro; RAMOS, Sinhorinha Maria. Panteão Médico Riograndense: síntese cultural e histórica. São Paulo: Ramos e Franco Editores, 1943, p.519.

SCHWARTSMANN, Leonor Carolina Baptista. Entre a mobilidade e as inovações:a presença de médicos italianos no Rio Grande do Sul (1892-1938). Tese apresentada como requisito para obtenção do grau de Doutor em História pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2013, p.85.

Aviso de Privacidade

O Simers utiliza cookies e tecnologias semelhantes, como explicado em nossa Política de Privacidade, para melhorar a experiência de usuário. Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições.

Ver Política
;