HILLEBRAND, João Daniel

Natural de Hamburgo (Alemanha), 1 de maio de 1800 – 9 de julho de 1880, São Leopoldo (RS). Filho de Cristiano Hillebrand e Margareth War Khorpst. Aos quinze anos, ainda estudante, auxiliava no recolhimento de doentes ao Lazareto de Merseburgo (Alemanha). Estava presente na Batalha de Waterloo em 18 jul. 1815 e foi condecorado pela assistência prestada. Diplomou-se em Medicina na Universidade de Goettingen, em 1823. Transferiu-se para o Brasil fixando-se juntamente com a segunda leva de colonos alemães, em São Leopoldo (RS), em novembro de 1824. Era um dos dois médicos que viera recomendado à Imperatriz Dona Leopoldina. Iniciou como vice-inspetor da Colônia. Em 1825 conseguiu trinta e sete voluntários para lutar pelo Império e que estiveram presentes na Batalha do Passo do Rosário. Em 1835 foi indicado para diretor da colônia, mas como fosse partidário do Imperador e contra os revolucionários, foi substituído. Retirou-se para a região de Campo Bom (RS), onde se juntou às forças legalistas de Gaspar Mena Barreto. No governo do Barão de Caxias, passou a comandante geral da Colônia de São Leopoldo (RS) e cavaleiro da Ordem da Rosa. Tornou-se cidadão brasileiro em 14 dez. 1845. Foi delegado de polícia, juiz de órfãos e Presidente da Câmara. Em 1858 foi nomeado Coronel da Guarda Nacional e em 1859 recebeu a Ordem de Cristo. Humanitário no exercício da profissão, teve destacado papel na epidemia de cólera que atingiu São Leopoldo em 1855-1856, e organizou o serviço de assistência. Levantava, ele mesmo, os caídos na rua e os levava para o Lazareto. Gastou seus recursos na compra de medicamentos e comida para os pobres. Quando quiseram compensá-lo pelas perdas, não aceitou; apenas cumprira seu dever. Sem jamais casar, deixou dois filhos naturais. Morreu aos oitenta anos de idade e em extrema pobreza. Publicou: “Relatório apresentado ao governo da Província em 1854”, In; Revista do Arquivo Público do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 1924 (setembro-dezembro), números 15-16, p. 337-438. Importante e minucioso relatório, datado de São Leopoldo, 19 mar. 1854 e encaminhado ao presidente Cansanção de Sinimbu. Provavelmente da lavra do mesmo Dr. Hillebrand, então presidente da Câmara da Vila de São Leopoldo, há o relatório de 29 set. 1858, desta corporação, ao presidente Ângelo Muniz da Silva Ferraz. Complementa o anterior e só se refere a assuntos dessa antiga colônia alemã. Há uma escola com seu nome em São Leopoldo (RS).

Aviso de Privacidade

O Simers utiliza cookies e tecnologias semelhantes, como explicado em nossa Política de Privacidade, para melhorar a experiência de usuário. Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições.

Ver Política
;